Adolescente Yanomami de 12 anos é estuprada por garimpeiros e criança de 4 anos está desaparecida


Adolescente Yanomami de 12 anos é estuprada por garimpeiros e criança de 4 anos está desaparecida

Assassinato, estupro e sequestro. Os três atos fizeram parte de um ataque de garimpeiros à comunidade Arakaça, localizada na maior reserva indígena do país, a Terra Yanomami, nessa segunda-feira (25).


Os invasores assassinaram uma adolescente, de apenas 12 anos. Antes da morte, os garimpeiros ainda estupraram a garota. O presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Yek’wana (Condisi-YY), Júnior Hekurari, relatou em vídeo o caos causado pelo ataque


Conforme Hekurari, há uma criança de 4 anos desaparecida. A menina e mãe foram alvos de uma tentativa de sequestro. A mulher conseguiu se salvar, mas a criança caiu do barco no Rio Uraricoera e os Yanomami ainda não têm notícias sobre ela.


“A adolescente era sobrinha dessa mulher que estava com a criança. Elas estavam na comunidade quando os invasores arrastaram elas. Foi violência!”, disse.
‘Jogaram a mãe e a criança no Rio’

Ainda de acordo com Hekurari, após ser arremessada do barco, a mãe conseguiu nadar e se salvar.


“Eles também jogaram a mãe e a criança no Rio. A mãe conseguiu nadar, mas a criança está desaparecida no Rio. Nós estamos indo à região que é de difícil acesso para prestar apoio aos moradores”, relatou.

Além do vídeo, o caso também o Condisi-YY em ofício ao Distrito de Saúde Indígena, à Secretaria Especial de Saúde Indígena, à Funai, à Polícia Federal e ao procurador da República, Alisson Marugal.


O presidente do Condisi-YY criticou a omissão do Governo Federal diante da invasão garimpeira na região. Para Júnior, a situação representa a extinção do povo Yanomami.


“A Polícia Federal já está sabendo, o Exército já está sabendo. Nós já fizemos de tudo, denunciamos, fizemos relatório com o clamor das comunidades e o Governo tem sido muito negligente com os Yanomami. Eles são omissos e irresponsáveis e até agora não fizeram absolutamente nada para proteger a população. Os Yanomami estão sendo extintos pelos garimpeiros. Os invasores entram nas comunidades, ameaçam, estupram as mulheres e matam as crianças. É lamentável!”.

Terra Yanomami


Os moradores da Terra Yamomami sofrem com o avanço da destruição garimpeira na região. Conforme relatório da Associação Hutukara Yanomami, em 2021 o garimpo ilegal avançou 46% comparado a 2020.


Além disso, em 2021, houve um crescimento de 30% em relação ao período anterior. De 2016 a 2020, o garimpo na Terra Yanomami cresceu 3.350%.

O relatório mostrou ainda que o número de comunidades afetadas diretamente pela atividade ilegal chega a 273. De acordo com o documento, 16 mil pessoas moram nesses locais, ou seja, 56% da população total é prejudicada.


Ao todo, há 350 comunidades indígenas na Terra Indígena, com uma população de aproximadamente 29 mil pessoas.


Funai, Governo Federal e Exército


O Roraima em Tempo entrou em contato com a Fundação Nacional do Índio (Funai), Governo Federal, Exército Brasileiro e aguarda resposta sobre o caso.

Fonte: Yara Walker, jornalista do Roraima em Tempo


26 visualizações0 comentário