Anvisa recomenda medidas de prevenção à varíola do macaco


Foto: Shutterstock

O primeiro caso suspeito de varíola do macaco na América Latina, registrado no último domingo, 23, na Argentina, já preocupa autoridades de vários países. Para tentar frear a chegada da doença no Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou medidas de prevenção como as da covid-19 a serem adotadas em aeroportos e aeronaves.


As medidas estão previstas na Resolução RDC nº 456/2020. De acordo com o posicionamento da Agência, nesses locais, os frequentadores devem manter, sempre que possível, o distanciamento físico, o uso de máscaras de proteção e a higienização frequente das mãos, para se protegerem não apenas da covid-19, mas também de outras doenças.


“A Anvisa mantém-se alerta e vigilante quanto ao cenário epidemiológico nacional e internacional, acompanhando os dados disponíveis e a evolução da doença, a fim de que possa ajustar as medidas sanitárias oportunamente, caso seja necessário à proteção da saúde da população.”, diz a nota da Anvisa.


O Brasil ainda não tem registro da doença. Apesar disso, epidemiologistas alertam que em breve casos podem ser identificados por aqui.


Doença


Varíola dos macacos (Monkeypox) é um vírus que acomete animais e, raramente, os humanos e ocorre em regiões de floresta da África Central e Ocidental. Porém, de acordo com o centro de pesquisa biológica Instituto Butantan, os casos relatados em continentes em diversos continentes no mundo, podem indicar uma possível transmissão comunitária do vírus, não tendo relação com as regiões africanas.


As pessoas acometidas pela doença apresentam lesões pelo corpo, como coceiras doloridas que podem ser semelhantes à catapora. Além disso, os sintomas podem incluir febre, dor de cabeça, dor nas costas ou musculares, inflamações nos nódulos linfáticos, calafrios e exaustão. Após a infecção, a doença costuma se manifestar entre 5 e 21 dias.


Transmissão


O contágio da doença, que até o recente surto raramente era vista em outras partes do mundo, ocorre principalmente por contato próximo a uma pessoa infectada com o vírus, podendo entrar no corpo pelo sistema respiratório, olhos, nariz, boca ou por lesões na pele.


A forma de transmissão pode ter sido a mesma que acometeu um brasileiro, de 26 anos, na Alemanha, vindo de Portugal após passar pela Espanha.


Em países como o Reino Unido a vacina contra a doença está sendo oferecida para pessoas de maior risco.

277 visualizações0 comentário