Batedores de açaí organizam paralisação em Belém



Com o preço exorbitante do açaí, parece até contraditório dizer que o produto é o principal alimento de muitas pessoas no Pará, principalmente nas regiões mais pobres, onde é o almoço de muitas famílias. Nos bairros periféricos de Belém, o litro do açaí popular chega a custar R$ 18,00. Por conta disso, batedores de açaí, por meio do movimento “O Açaí é Nosso”, farão uma paralisação das atividades na próxima segunda-feira (17).


A concentração será a Praça do Relógio, às 6h. A caminhada pelas ruas da cidade até a Praça da República está prevista para ocorrer às 7h.


Segundo o Movimento, o ponto crucial para a alta no preço do açaí se dá pelo fato de que o Pará abastece outros estados como o Amapá, Amazonas e Maranhão, bem como as fábricas, o que gera grande procura diante da baixa produção.


Foto: Ag. Pará / Arquivo


“Podemos dizer também que esse aumento se deve à competitividade de produção entre os pequenos produtores e as grandes indústrias que fazem a exportação do produto para fora do estado”, diz o Movimento.


De acordo com os produtores, a safra do açaí este ano foi tardia e se estende até os dias de hoje. As mudanças climáticas também desfavorecem a produção, o que atrapalha o amadurecimento, já que para esse processo o fruto necessita de chuva e calor.


Mesmo o Pará sendo o maior produtor nacional de açaí, com um volume anual de 1.320.150 toneladas de frutos, de acordo com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), o alto custo tem feito a população deixar de comprar o produto.


imagem de divulgação do ato


A mobilização tem interesse em fazer essa ponte entre as empresas e o Estado para que essa distribuição seja feita de forma justa para os pequenos produtores


Serviço – Mobilização “O Açaí é Nosso”


Data: 17 de maio, segunda-feira

Hora: 6h

Local: Praça do Relógio

74 visualizações0 comentário