Belém apresenta na COP26 projeto para inserção no circuito de cidades sustentáveis


Comitiva Pará em Glasgow, na Escócia COP26 / Foto: reprodução rede social Juliano Medeiros



Agendas importantes devem ser cumpridas pela comitiva do Prefeitura de Belém que foi convidada para participar da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26) em Glasgow, na Escócia. Dentre os compromissos, a entrega de uma carta que destaca a importância da Amazônia para o mundo, fortalecer a luta contra o desmatamento na região e defender os povos originários. Além de inserir Belém no circuito de cidades sustentáveis. A carta foi produzida no Encontro dos Saberes da Amazônia e Mudanças Climáticas, realizado em outubro deste ano, na capital.


De acordo com Prefeitura, todo esforço para que a capital seja inclusa circuito de cidades sustentáveis e alcançar as outras demandas expostas na carta, se dá por conta da união das secretarias.

Um exemplo é a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMMA), é a responsável pelas políticas de meio ambiente, arborização e paisagismo na cidade. Na busca pelo título de Belém como cidade sustentável com a iniciativa de arborizar a cidade e implantar Unidades de Conservação Ambiental, onde áreas sob pressão urbana serão preservadas com benefícios ambientais à todos os moradores de Belém e região.


Outro exemplo é a Secretaria Municipal de Saneamento (SESAN), que trabalha também com a problemática da destinação e tratamento dos resíduos sólidos e do saneamento básico é um desafio enfrentado por muitas cidades brasileiras. Um dos principais desafios da pasta de Saneamento de Belém, para tornar a cidade mais sustentável e ecologicamente correta, é prevenir os alagamentos que são recorrentes na capital.


Ainda o Programa de Saneamento da Bacia da Estrada Nova (Pronabem), que não é um plano de saneamento simplesmente, mas é de urbanização no sentido global, arborização, implantação de vias modernas, de ciclovias, áreas de lazer e tratamento de esgoto, além de moradia para as pessoas que eventualmente tenham que ser remanejadas por necessidade da obra, que beneficiará 400 mil belenenses.



A COP26 é um momento de troca de experiências em que se fala também sobre desmatamento irregular e técnicas de monitoramento que outros países já utilizam, com apoio do governo britânico, e que podem ser aplicadas em Belém.




5 visualizações0 comentário