Belém lidera ranking nacional em casos de HIV/Aids em crianças menores de 5 anos



Belém lidera o ranking nacional de caso de HIV/AIDS em crianças de menores de 5 anos, e o Pará registrou um aumento de todos os registros de HIV/AIDS no último ano, segundo o último Boletim Epidemiológico de HIV/Aids, publicado pela Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS). Esse levantamento é de 2020, que feito anualmente, no mês de dezembro de todo ano.


A transmissão - A infecção é chamada de transmissão vertical, que é quando a mãe transmite o HIV para o bebê, na maior parte dos casos durante a gestação, ou o trabalho de parto, ou amamentação. Nessas fases, o contato com fluidos contaminados, tanto no líquido amniótico quanto no leite materno, pode levar a criança a desenvolver a doença antes mesmo dos primeiros anos de vida.


Segundo o Departamento de infecções sexualmente transmissíveis (IST), da Secretaria Municipal de Saúde de Belém (Sesma), só nesse ano 2021, aproximadamente 230 mães iniciando o tratamento contra o HIV.


Segundo o Ministério da Saúde, o momento do trabalho do parto é o mais propício a infectar o bebê, uma vez que é responsável por cerca de 65% dos casos. A infecção intrauterina, que ocorre ainda no período gestacional aparece com 35% dos casos, 5% a mais que a transmissão por meio da amamentação, que corresponde a 30% dos casos quando a mãe é infectada durante o período de aleitamento.


A Sesma juntamente com a Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa), reforçam a mensagem da testagem para HIV, sífilis, hepatite b e c, no primeiro trimestre e no último trimestre, são dois momentos no pré-natal, e que o caso de crianças nascidas com o HIV ou diagnosticadas ainda na infância pode ser agravado com a falta de acompanhamento médico.





Mais destaque no Pará, para casos HIV/AIDS


Também se destaca nesse levantamento, o crescimento de diagnósticos em pessoas na faixa etária de 15 até 29 anos, e em Belém, segundo dados da Sesma, esse aumento aconteceu principalmente no público masculino. Entre os homens, nos últimos dez anos, houve um aumento da taxa de detecção de Aids nas faixas de 15 a 19 anos, de 20 a 24 anos, de 25 e 29 anos. E em totalizando no Estado, segundo a Sespa, a faixa etária onde houve mais crescimento de novos casos foi entre 20 a 49 anos, com 2280 diagnósticos entre 2020 e 2021. No mesmo período, os diagnósticos foram provocados por interações sexuais entre o público heterossexual, responsável por 1447 diagnósticos entre 2020 e 2021.


Testes rápidos - Os testes disponíveis para apar HIV, sífilis, hepatite b e c, chama-se teste rápido, e o resultado sai em 20 minutos. Os testes feitos de forma gratuita nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). E ainda em Belém, existe o Centro de Testagem e Acolhimento (CTA), que é uma casa especializada para receber a população para aconselhamento e fazer a testagem, também tem o Casa Dia que é o centro de referência municipal.


A prefeitura de Belém tem uma série de serviços, além de disponibilizar das tecnologias como a profilaxia pós-exposição (PEP) e a profilaxia pré-exposição (PrEP), porém as pessoas precisam conhecer e acessar esses serviços. Para fazer a testagem basta apresentar o documento de identificação.



Foto: Fonte Google


O Vírus HIV e Aids


O HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o vírus causador da Aids, que ataca células específicas do sistema imunológico. Ao contrário de outros vírus, como o da gripe, o corpo humano não consegue se livrar do HIV.


A Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é a doença causada pelo HIV, que ataca células do sistema imunológico, responsáveis por defender o organismo de doenças. Em um estágio avançado da infecção pelo HIV, a pessoa pode apresentar diversos sinais e sintomas, além de infecções que se aproveitam do sistema imunológico mais frágil como pneumonias, infecções fúngicas e parasitárias assim como alguns tipos de câncer. Sem o tratamento antirretroviral, o HIV incapacita o organismo de lutar contra infecções e doenças.

22 visualizações0 comentário