Carnaval Paraense: Conheça a história de algumas Escolas de Samba de Belém


Foto/reprodução

As escolas de samba chegaram em Belém em 1930, por Raimundo Manito que era morador do bairro dos jurunas e apaixonado por carnaval, ele trouxe para Belém o modela de carnaval do rio de janeiro. No primeiro século de carnaval em Belém, existia certa valorização do carnaval sendo um dos melhores carnavais do País perdendo apenas para o rio de janeiro por muitas décadas.

RANCHO NÃO POSSO ME AMOFINÁ

Rancho não posso me Amofiná é uma escola de samba de Belém do Pará, e a mais antiga e tradicional escolas de samba da capital, possui em sua origem uma relação direta do que era o carnaval carioca, pois seu fundador Raimundo Mamito, um viajande apaixonado pelo samba e pelo carnaval trouxe para Belém esse modelo de carnaval Carioca, das escolas de samba e da disputa, por isso inaugurou o Rancho.


A ênfase dada ao rancho está ligada à sua história, foi a primeira escola de samba da capital, que surgido na periferia de Belém por alguém com conhecimento do carnaval, um dos motivos de tanto sucesso e títulos. Rancho Não Posso me Amofina, foi fundada em 31 de janeiro 1934, marcando a década de 30 da era carnavalesca em Belém.


O Rancho não surpreende apenas com sua experiencia, mas com os enredos que os levaram a 24 títulos. Conheça alguns dos melhores enredos do Rancho, o primeiro que ganhou como melhor escola foi a deusa do fogo, em 1960 ‘’Bandeirantes de Ontem e de Hoje’’, 1962 ‘’Marinha Berço de Heróis’’, 1971 ‘’Samba Alegria de um Povo’’, 1979 ‘’Tempo de criança’’, 1980 ‘’Museu Paraense Emílio Goeldi’’, e muitos outros enredos que deram ao Rancho muitos outros títulos de melhor escola do Ano. O símbolo da escola é uma coroa, com as cores o azul, amarelo e vermelho.


BOLE-BOLE

Bole-bole fundada foi fundada em 02.02.1984 no Bairro do Guamá em Belém, apesar de sua idade a história da bole-bole se confunde com a história do carnaval paraense e com essa inspiração carnavalesca em sua história a escola de samba apresenta uma forte identidade de pertencimento que é reforçada com os seus vários títulos.



A ascensão da Bole-Bole como escola foi em 1995, até o momento se apresentava como bloco de empolgação, e por mérito para bloco do grupo B e depois A. Hoje a escola de samba possui 6 títulos de campeã, o primeiro grande título veio em 1996 um ano após sua ascensão. Em 1997 a escola de samba sai do grupo B para grupo especial. A bole-bole foi uma das escolas de samba que passou por todo um processo até se torna escola do grupo especial, de bloco de empolgação para B e A, após para escola de samba do grupo B para o especial e com títulos.


A bole-bole surgiu em um bairro histórico de Belém e com a maior população, além de uma diversidade cultural muito grande, e por encontro a toda essa diversidade existente advindas das classes marginalizadas da sociedade, a cultura popular, o carnaval era bem vindo, e a bole-bole um ícone carnavalesco para a população do bairro.


Segundo o pesquisador Herivelto Silva em ‘’A Escola de Samba Bole-Bole em Belém/PA: história, comunidade e identidade’’ por consequência do destino a Bole-Bole foi estabelecida na passagem Pedreirinha no bairro do Guamá, rua pequena com pouco mais de 500 metros de extensão e conta com uma grande diversidade de manifestações de cultura popular, entre eles o boi bumbá, bloco carnavalesco, terreiro centenário de umbanda, festa tradicional de São João, grupo de carimbó e outros grupos culturais.


A escola de samba foi pela primeira vez campeã em 1996 com o enredo, os velhos carnás de Belém, a segunda vitória foi em 1999 com ‘’Fantasia de um Guamá feliz’’, 3003 o enredo foi ‘’Ananindeua. Uma invasão de felicidade’’2010 ‘’Palhaços Trovadores: a poesia do riso na passarela do samba’’, 2011 ‘’Bonecos pra lá de animados’’, e seu ultimo ano campeã até o momento foi em 2016 que disputou com o enredo ‘’Belém 400 anos: A festa no Guamá já começou!’’.


EMBAIXADA DE SAMBA DO IMPÉRIO PEDREIRENSE

EMBAIXADA DE SAMBA DO IMPÉRIO PEDREIRENSE, nasceu em 6 de dezembro de 1951, na época a escola se chamava "Maracatú do Subúrbio", mas visto que o nome soava de forma pejorativa, foi proposto mudanças, para o nome que sobrevive até hoje. A embaixada, o ícone do carnaval e da cultura paraense já se apresentaram com enredo bem chamativos e que lhes deram o título de campeã, veja alguns deles: 2003 ‘’O Pará Chama Verequete!’’ 2006 ‘’Cais do porto - a evolução ao longo do século’’ 2009 ‘’As crias da alegria, "Curro Velho" 18 anos de arte e fantasia’’. 2018 ‘’O Auto do Boi bumbá Imperial- Do colorido Junino á Passarela do Carnaval!’’.



O império Pedreirense sempre fez muito sucesso no carnaval dos paraenses, e no ano de de 1959, Paulo Roberto novo presidente, lançou o enredo "O Pescador" que possuía um samba fortíssimo, tão bem aceito que até hoje ele é cantado, e na época ele obteve o vice-campeonato, e o primeiro título com o novo nome, ali traçava o sucesso da escola que reunia os Pedreireses em torcida.


Em 1963 Manoel Airosa assume a presidência e resolve fazer novas mudanças, acrescentar novos ares para a escola, e como exclusividade do samba lançou a sambista Marlene Nogueira, que por três anos conquistou o título de "Melhor Sambista do Carnaval".


Em 1968 a embaixada para melhorar a organização do carnaval faz uma promoção de arrecadação de recursos para comprar um terreno e fundar a sede da escola. E no ano de 1996 a coordenação da escola entendendo a realidade da periferia e resolve fazer um trabalho social no bairro da pedreira, haja visto que o bairro carente necessitava de tais ações e que as escolas tinham que pensar para além dos carnavais, haja visto que elas nascem nas periferias e com isso assumem um compromisso social com as periferias para além de apenas o samba.

53 visualizações0 comentário