Sobrinha da juíza Mônica de Oliveira reforça tese de suicídio

Corpo da vítima deixa hoje a capital paraense rumo à Paraíba, onde será o enterro

Foto: Reprodução

Na tarde desta quarta-feira (20), o corpo da juíza Mônica de Oliveira, encontrada morta dentro de um carro pelo marido, deixa a capital paraense rumo ao estado do Paraíba, onde ocorrerá o enterro junto a familiares e amigos que lá vivem. O velório ocorreu na manhã de hoje, em uma capela no bairro do Umarizal, em Belém, após a liberação do corpo pelo Instituto Médico Legal (IML).

Foto: Mônica Chagas

Natural de Barra de Santana (PB), Mônica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, 47 anos, trabalhava como juíza titular da Vara Única da cidade de Martins, no Rio Grande do Norte. Segundo o marido, com quem era casada havia dois anos, ambos possuíam residência em Campina Grande (PB) e em Belém, e se dividiam entre as duas cidades.


Entenda o caso


Na última terça-feira (17), a juíza foi encontrada morta dentro de um carro no estacionamento de um prédio em que o casal morava, em Belém. O corpo apresentava um ferimento por arma de fogo e foi levado pelo próprio marido à delegacia.


No Boletim de Ocorrência (BO), o também juiz e marido de Mônica, João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior, relatou que os dois tiveram uma discussão na noite de segunda-feira, 16, e a juíza disse que ia embora. Na manhã seguinte, desceu para a garagem do prédio e, ao se aproximar do carro, percebeu que a esposa tinha cometido suicídio e usou a arma de fogo dele, que sempre fica guardada dentro do carro.


Por meio de nota, a Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Pará informou que "está adotando todas as medidas cabíveis para a elucidação do ocorrido". Informou, ainda, que já encaminhou o caso à Justiça. O Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) disse que ainda não vai se manifestar sobre o caso, que ganhou repercussão nacional.


Atualização


Foto: Reprodução

Após assistir às imagens da câmera de segurança do prédio em que a juíza foi encontrada sem vida, uma sobrinha da vítima, que veio da Paraíba, chegou à conclusão de que se trata de suicídio. "Nada mais a declarar. Só tristeza."


Com informações do G1

64 visualizações0 comentário