Crianças indígenas Warao têm direitos garantidos em escolas municipais de Belém


Foto: Reprodução - Agência Belém

Desde 2015 com a crise econômica na Venezuela uma quantidade grande de venezuelano migrou para américa, e o Brasil foi o destino de muitos, e já no país, a capital paraense recebeu muitos indígenas Warao, no entanto encontraram dificuldades para sobreviver, colocar as crianças para estudar e mesmo ter um modo de vida comum, tendo que viver em abrigo público e passar o dia nas ruas pedindo dinheiro para manter sua subsistência dificultando.


Em 2021 a Coordenação da Educação Escolar dos Indígenas, Imigrantes e Refugiados (Ceiir), assumiu compromisso com a educação dos refugiados do Warao por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semec), da Prefeitura de Belém, em promover educação com dignidade territorial aos refugiados.


As matriculas para as crianças e adolescente iniciou nos dias nos dias 22, 23, 27, 28 e 29 de dezembro para o ano letivo de 2022 na escola Professora Maria Heloísa de Castro, Amigos Solidários, Professor Pedro Demo, Monsenhor Azevedo e Helder Fialho, além das Unidades de Educação Infantil (UEIs) Pratinha, no Tapanã, e Itaiteua, no distrito de Outeiro. Para 2022 a prefeitura entregará a Escola Municipal Amigos Solidários, no Tapanã que terá em seu currículo uma formação completa extracurricular.


É um passo importante que a prefeitura de Belém realiza e é um instrumento para garantir o cumprimento de direitos de todas as crianças.


14 visualizações0 comentário