Edmilson irá transformar o antigo cemitério da soledade em parque urbano após a restauração


O antigo cemitério Nossa Senhora da Soledade, símbolo da história e memória da nossa cidade, desde que encerrou suas atividades em 1880 vem passando por um processo de deterioração e abandono que se intensificaram nos últimos 16 anos mesmo depois de sido tombado pelo Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio arquitetônico, urbanístico e paisagístico em 1964.


Edmilson é arquiteto e urbanista e grandes construções estão em seu acervo de realizações quando foi prefeito de Belém entre 1997 e 2005. E naturalmente já era esperado que em seu novo mandato obras de grande porte seriam implantadas na cidade.



Prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues

"Vamos recuperar a memória e devolver à cidade o Cemitério da Soledade totalmente recuperado. Isso faz parte da reconstrução de Belém. Cuidar da nossa população é cuid.ar também da memória da nossa cidade, dando ao povo a oportunidade de conhecer a nossa história”, enfatizou o Prefeito de Belém


Ao todo serão investidos R$ 15 milhões na restauração do antigo cemitério da Soledade, que será transformado em parque urbano pelo Prefeito de Belém. A restaurado e requalificação, se dará por meio de um acordo de cooperação técnica assinado entre Prefeitura da Capital e o Governo do Estado, através da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel) e Secretaria Municipal de Urbanismo (Seurb) e Secretaria de Estado de Cultura (Secult).


Pórtico do Cemitério da Soledade inclina e local é interditado pela Defesa Civil

A previsão de conclusão da obra é em até 12 meses. A assinatura garante o início da primeira fase do projeto ainda nesta semana, de caráter emergencial, sendo que a etapa inicial deve ter duração de 120 dias, e inclui revitalização do muro; do pórtico, com risco atual de queda; calçamento lateral e reestruturação da parte elétrica e hidráulica.


As próximas etapas das obras devem incluir o projeto de intervenção, com a construção de um pórtico para acesso pela travessa Dr. Moraes; execução dos projetos complementares, incluindo a parte estrutural, elétrica, hidrossanitária, logística, de ar condicionado, de prevenção e detecção de incêndio, e a segurança da área.


Também estão previstos os projetos luminotécnico (de iluminação cênica) dos elementos integrados, e das exposições; do projeto de paisagismo geral, e da sinalização dos espaços de apoio ao circuito expositivo e design gráfico dos painéis das exposições, levando em consideração os textos e imagens do projeto de musealização.





88 visualizações0 comentário