Exército Brasileiro deve ser investigado pela compra de 60 próteses penianas


Foto: Divulgação

De acordo com o deputado Elias Vaz (PSB) e o senador Jorge Kajuru (Podemos) um pedido de investigação foi formalizado para o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Ministério Público Federal (MPF), afim de apurar a compra de 60 próteses penianas, realizadas pelo Exército Brasileiro, no valor de R$ 3,5 milhões.


De acordo com os dados do Portal da Transparência e do Painel de Preços do Governo Federal, três pregões eletrônicos foram realizados em 2021 solicitando a compra das próteses.


As próteses podem variar entre 10 a 25 centímetros.


LEIA MAIS:

+ Forças Armadas compram mais de 35 mil comprimidos de Viagra


No primeiro Pregão 10 próteses no valor de R$ 50.149.72 cada, fornecidas pela empresa Boston Scientific do Brasil LTDA, foram adquiridas no dia 2 de março de 202 e destinado ao Hospital Militar de Área de São Paulo;


Outras 20 próteses fornecida pela Quality Comercial de Produtos Médicos Hospitalares LTDA, no valor de R$ 57.647,65 cada, foram aprovadas no segundo Pregão, realizado no dia 21 de maio de 2021 e destinado para o Hospital Militar de Área de Campo Grande, Mato Grosso do Sul;

No terceiro e último Pregão, outras 30 próteses foram compradas, cada uma orçada em R$ 60.716,57, aprovada dia 8 de outubro de 2021. Fornecido pela empresa Lotus Medical Distribuidora e Comércio de Produtos Médicos Eireli e destinado para o Hospital Militar de Área de São Paulo.


Segundo a Marinha os processos de aquisição são para o tratamento de pacientes com hipertensão arterial pulmonar, "doença grave e progressiva que pode levar à morte".


O Exército também apresentou a mesma justificativa, dizendo que os hospitais da corporação, que atende os militares e seus dependentes, devem ter o medicamento para tratar a condição.

Parte superior do formulário


29 visualizações0 comentário