Exposição Nós de Aruanda traz programação Multicultural em Belém




E vai até hoje, quarta-feira (15), a exposição “Nós de Aruanda – artista de terreiro”, que estava acontecendo desde o início deste mês, nos blindando com uma programação repleta de música, poesia, performances, shows, amostra de cinema, exposição de arte de diversas linguagens, pintura, escultura, grafite, arte plástica, arte visual, roda de conversa e Gira Literária.


Durante todo esse tempo ações aconteceram em diversos bairros da capital paraense, são ações de cunho cultural nos bairros de Outeiro, Barreiro e Terra Firme, além da criação do acervo com imagens das edições anteriores.


Neste último dia de exposição, se apresentam: Jeff Moraes, Banda Afro Amazônica Panambi Preta, Juliana Matemba, Emanu Black, Carimbó Volta ao Mundo, Sambagolê, Maré Cheia.


Este ano a exposição “Nós de Aruanda- Artistas de Terreiro Edição 7 e 8”, vem no caráter on line, e será transmitido pelo no Facebook e Instagram do IBAMCA - Instituto Bamburusema de Cultura Afro Amazônica. Projeto foi contemplado pela Lei Aldir Blanc de fomento à cultura (SECULT PA), através do Edital da Fadesp de Cultura Afrobrasileira.


A exposição é coordenada desde 2019 pelo IBAMCA, da matriarca Elizabeth Pantoja, Mametu Muagile; Elizabeth Pantoja (Mametu Muagilê) - Coordenação geral; Elis Tarcila Souza de Souza- produção executiva; Ingrid Louzeiro - assistente de produção; Gabriela Monteiro - Produção executiva e desing; Vanessa Mendonça – assessoria de imprensa / produção.


Obras que fazem parte da exposição - Foto: Vanessa Mendonça

A Exposição Nós de Aruanda - Artistas de Terreiro vem ganhando cada vez mais representatividade junto aos povos tradicionais de matriz africana, o povo de terreiro, e os espaços de divulgação da cultura brasileira. Nesse sentido, a exposição capta apenas uma parte da cultura brasileira, que ainda é muito mal interpretada e pouco valorizada.


A cultura afro-brasileira que vem dos descendentes de africanos que aqui impuseram uma marca, uma história e uma memória. Nos terreiros são vivenciados valores civilizatórios africanos e tradições que são materializados em ações personificações que são utilizados todo os dias por uma grande parcela da população brasileira.

Serviço:

Os sites disponíveis para transmissão do evento

https://www.facebook.com/Ibamca-Instituto-Bamburucema-de-Cultura-AfroAmaz%C3%B4nica

@ibamca

102 visualizações0 comentário