‘Flor de Mururé’: curta-metragem gravado em Icoaraci é premiado 29ª edição do Festival Mix Brasil


Foto: redes sociais

“Flor de Mururé” é mais que uma música. É mais do que uma lenda da tradição oral de uma família da região amazônica. É a narrativa de existências e resistências reais, mas com os sonhos alimentados com fantasia.


O curta-metragem gravado em Icoaraci é premiado em Festival Nacional de Cinema, na 29ª edição do Festival Mix Brasil - Cultura da Diversidade, que aconteceu em São Paulo. A produção reuniu uma equipe majoritariamente feminina, LGBTQIA+, preta e de moradores da periferia.


A filme apresenta um episódio ficcional de violência permeada pelo afrofuturismo amazônico, além de misturar elementos documentais e ficcionais com pitadas de surrealidade. As gravações aconteceram nos distritos de Icoaraci e Outeiro, em Belém. A produção reuniu uma equipe majoritariamente feminina, LGBTQIA+, preta e de moradores da periferia.


Dirigido por Marcos Corrêa e Priscila Duque, do grupo paraense Carimbó Cobra Venenosa, foi premiado com menção honrosa na 29ª edição do Festival Mix Brasil - Cultura da Diversidade, que aconteceu em São Paulo durante os dias 10 e 21 de novembro.


O filme, foi gravado em janeiro deste ano, já passou por mais de 15 festivais nacionais e por cinco festivais internacionais, incluindo exibições presenciais no Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte e em países na Europa, América Latina e América do Norte.



24 visualizações0 comentário