Itens básicos tornam cesta básica do paraense ainda mais cara


Foto: Roberto Parizotti

‘Tudo caro.’ Certamente você já deve ter ouvido tal expressão popular, que reflete a realidade de muitos brasileiros. Em Belém, pesquisas divulgadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA) mostram que o preço de itens básicos da alimentação, como tomate e o feijão, encarece a cesta básica dos paraenses.


Os dados da pesquisa são referentes ao mês de abril deste ano. De acordo com o Departamento, a cesta básica no Estado voltou a ficar mais de 50% mais cara, isto é, custando cerca de R$ 610,00, comprometendo sua aquisição em mais da metade do atual salário mínimo, que é de R$ 1.212,00.


As pesquisas realizadas pelo DIEESE/PA mostram a trajetória de alta nos preços do quilo do tomate consumido pelos paraenses e comercializado em feiras livres e supermercados da capital neste ano. Em abril, o quilo do tomate chegou ao patamar de R$ 9,60. Em comparação ao mesmo período no ano passado, a média de preço ficou em R$ 5,44. Até março deste ano, chegou a custar, em média, R$ 8,60.


Outro velho item preocupante para o bolso dos belenenses é o feijão. No último mês de abril, o quilo dos feijões carioquinha, jalo e o cavalo, comercializados em supermercados da capital, chegou à média de R$ 7,80. A média de preço no mesmo período do ano passado foi de R$ 7,53.


Apesar de sucessivas quedas de preço registradas em dezembro passado (R$ R$ 6,56), em janeiro deste ano (a R$ 6,33) e em março (a R$ 6,97), o quilo do feijão registrado em abril consumido pelos paraenses ficou quase 12,00% mais caro em relação ao último mês de março.


O reajuste acumulado no preço do tomate, para este ano, supera a inflação, alcançando quase 22%. Já o do feijão, no período de janeiro a abril deste ano, quase 19%.


De acordo com as pesquisas recentes do Dieese-PA, a tendência ainda é de alta no preço do feijão, considerado o produto que registrou a maior elevação de preço para o mês de abril deste ano.

28 visualizações0 comentário