Morre escritora Lygia Fagundes Telles, símbolo de resistência contra a ditadura militar


O Brasil perdeu, na manhã deste domingo (3/4), a famosa escritora Lygia Fagundes Telles, aos 98 anos. Ela faleceu em casa de causas naturais, segundo relato de Juarez Neto, da Academia Brasileira de Letras (ABL), a qual Lygia também era integrante desde 1985. Romancista e contista pós-modernista, ela ocupava a cadeira 16 na instituição, que assumiu no lugar de Pedro Calmon.


Nascida em São Paulo, em 19 de abril de 1923, a escritora é um símbolo de resistência contra a censura da ditadura militar no Brasil, quando ganhou os prêmios literários Jabuti e Camões, em 1977. Além desses, Lygia ainda recebeu diversos outros prêmios, como Prêmio do Instituto Nacional do Livro em 1950; Jabuti em 1966, 1974 e 2001; e Camões em 2005 (pelo conjunto da obra).


Sua primeira obra literária foi publicada em forma de contos, “Porões e sobrados”, em 1938. Mas foi na década de 1970 que a escritora produziu a leva de obras mais importante da carreira: Antes do Baile Verde (1970), As Meninas (1973), Seminário dos Ratos (1977) e Filhos Pródigos (1978).


Lygia era amiga de escritores tão renomados quanto ela, como Carlos Drummond de Andrade e Erico Verissimo. Era filha do promotor Durval de Azevedo Fagundes e da pianista Maria do Rosário Silva Jardim de Moura. Casou-se duas vezes e teve um filho, além de duas netas e uma bisneta.

13 visualizações0 comentário