Os programas sociais da prefeitura de Belém estão se tornando referência para outras gestões no País


O Banco do Povo e a Fundação Papa João Paulo (Funpapa), receberam ontem (16) a visita do secretário de Assistência Social e Família da Prefeitura Municipal de Porto Velho, de Rondonia. Claudi veio conhecer de perto as políticas que estão sendo implantadas pela nova gestão da prefeitura de Belém, como o “Bora Belém” programa de transferência de renda, de capacitação profissional como o “Donas de Si”, além das experiências de crédito solidário e do Restaurante Popular.


Belém começa a despertar o interesse de outras cidades, além de estar se tornando um espelho em relação a políticas públicas no combate à desigualdade social. “Viemos a Belém, que é referência na política do Restaurante Popular e no atendimento à população de rua, para fazer um intercâmbio interessante entre dois municípios do Norte, o que enriquece as nossas iniciativas”, declarou Claudi Rocha.


O secretário foi conhecer o restaurante popular que comercializa refeições balanceadas ao valor de R$ 2, mediante o subsídio da prefeitura no valor de R$ 7,10. Outra iniciativa que o Secretário de Porto Velho quis conhecer foi o programa “Donas de Si”, que realizará em parceria com os Serviços de Aprendizagem Rural (Senar) e da Indústria (Senai), o primeiro curso gratuito de processamento de frutas e produção de compotas, geleias, licores e outros doces às mulheres beneficiárias do Bora Belém nos bairros do Bengui e do Tapanã, neste mês de junho e no mês que vem.



Georgina Galvão, Presidente do Fundo Ver-o-Sol, explicou durante a reunião sobre a política do microcrédito (crédito solidário), que foi instituída em 1997, na primeira gestão de Edmilson como prefeito, mas que está sendo reestruturada nesse início de gestão, após os prefeitos que o sucederam terem desmontado essa política de apoio aos pequenos empreendedores e usado o órgão como curral eleitoral. A volta do microcrédito é fundamental nesse período de dificuldade que a sociedade enfrenta por conta da pandemia da covid-19, sobretudo àqueles que se organizam de forma coletiva.



35 visualizações0 comentário