Sesma corta plantão COVID e médicos reagem contra


Leitos vazios de COVID/ foto: Fernando Sette-COMUS

Após decisão da Secretaria Municipal de Saúde de Belém (Sesma) de reduzir o quantitativo e valores de plantões de equipes médicas, a categoria da saúde se posiciona contra a decisão da prefeitura e cria perfis nas redes sociais atacando o prefeito Edmilson Rodrigues.


As reclamações da categoria começaram após a prefeitura de Belém, por meio as Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), divulgar uma nota sobre o início do processo de reestruturação do Sistema de Urgência e Emergência da Rede de Saúde do Município.


De acordo com a Sesma, as mudanças, que foram decididas pela gestão municipal, "alcançaram a área de Urgência e Emergência da rede municipal de Saúde, com adequações nas equipes da Diretoria de Urgência e Emergência, do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu - 192) e dos Hospitais de Prontos-Socorros Mário Pinotti e do Guamá.


Segundo o Sindicato dos Médicos do Pará (Sindmepa), em reunião com a Sesma em fevereiro deste ano, para decidir os valores dos plantões que seriam praticados em Belém no mês de março, ficou acordado o pagamento de intermediário bruto de R$ 1.600.


Antes da covid-19, o valor dos plantões era de R$1.089,00; durante a covid-19, com o aumento da demanda de atendimento, a Prefeitura reajustou para R$2.050,00, mas com a queda acentuada de internações e casos na capital – nesta segunda (28), com zero leitos de UTI ocupados – esse valor, acordado com o Sindicato dos Médicos, foi readequado para R$1.600,00.


O valor acordado anteriormente era referente ao quantitativo de profissionais que eram preciso durante o tempo mais critico que vivemos durante a pandemia. Com a alta demanda, era necessário fazer o chamado “Plantões extras” onde o profissional poderia fazer mais de 10 plantões por mês, abrindo exceção para o regulamento médico que estipula o teto máximo de dez.


As condutas e alterações para a saúde pública de Belém, bem como o aumento de quantitativo de profissionais e regimes plantonistas se deu por decreto durante a pandemia. “Para decretar a situação de calamidade pública, a Prefeitura de Belém também considerou os dados técnicos da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) que demonstram o ritmo acelerado das infecções e óbitos decorrentes da Covid-19 no município. Isso “exige que o Poder Público Municipal adote medidas urgentes para prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública, a fim de evitar uma maior disseminação da doença no município”, afirma o decreto nº 99.976/2021 durante o ano de 2021. Este decreto foi encerrado no dia 31 de março de 2022, sendo assim, o municipio precisa readequar os gastos com a saúde, de acordo com a lei de responsabilidade fiscal.


Porém hoje o quadro é diferente, segundo a Sesma, com a estabilização da pandemia no município, onde os últimos dados divulgados ontem, 30, A taxa de ocupação de leitos clínicos chegou a 30% (3 ocupados, considerando o total de 10 leitos de Enfermaria) em retaguarda no Hospital Dom Vicente Zico. Já a ocupação de leitos de UTI é de 0% (Ocupados: 0 considerando o total de 5 leitos de UTI) na rede de retaguarda. Não há necessidade de cumprir as medidas que antes eram precisas durante o tempo crítico da covid, por isso foi feito essa reestruturação para se adequar a normalidade, "faz parte da reestruturação do serviço a adequação no quantitativo e valores de plantões das categorias profissionais, medida administrativa que objetiva adequar as escalas de plantão às necessidades quantitativas e qualitativas das demandas de atendimento, respeitando as cargas de trabalho legalmente definidas para cada categoria profissional".




Nas redes sociais, criadas por perfis fakes e anônimos, são muitos os comentários barganhando a vida e saúde da população, indo de encontro com um dos princípios do Código de Ética dos Médicos, que diz no cap VI - O médico guardará absoluto respeito pelo ser humano e atuará sempre em seu benefício. Jamais utilizará seus conhecimentos para causar sofrimento físico ou moral, para o extermínio do ser humano ou para permitir e acobertar tentativa contra sua dignidade e integridade.



172 visualizações0 comentário