Uma das mulheres agredidas por taxistas é internada em hospital de Belém


Foto: Reprodução/Redes sociais

Está internada na ala de psiquiatria de um hospital em Belém, em estado emocional ainda bastante abalado, uma das vítimas agredidas, nesta quarta-feira (01), por taxistas no bairro de São Brás. A informação foi enviada ao Belém Notícias pela prima da outra vítima, que se encontra bastante machucada. O estado de saúde da vítima hospitalizada não foi informado.


As agressões foram registradas por um celular e bastante compartilhadas nas redes sociais. Vídeos que circulam na intenert mostram taxistas agredindo fisicamente um casal de mulheres, que estaria se beijando no local. O crime ocorreu por volta das 17h de ontem, no bairro de São Brás, próximo à Feira da 25. Confira o vídeo:


A Seccional do bairro de São Brás registrou o caso como lesão corporal. A família, no entanto, alega se tratar de crime de homofobia.


Pelas redes sociais, a prefeitura de Belém se posicionou hoje sobre o caso, por meio da Coordenadoria da Diversidade Sexual (CDS).

Foto: Reprodução/CDS

Homofobia é crime!


Apesar de no Brasil ainda não existir uma lei específica contra a Homofobia, a base que criminaliza atos homofóbicos é a mesma que criminaliza o racismo: artigo 20 da Lei 7.716/2018.

Entre outras situações, o crime de racismo ocorre quando uma pessoa LGBTQIA+ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis, queer, intersexo, assexuais e demais orientações sexuais e identidades de gênero) é agredida por palavras ou fisicamente por conta de sua orientação sexual.


Lei


De acordo com a Lei de Racismo n° 7.716, de 5 de janeiro de 1989:

“Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”, sob pena de reclusão de dois a cinco anos.


Dados alarmantes


O Relatório do Observatório de Mortes e Violências contra LGBTQIA+ mostra que no ano passado 316 mortes foram registradas no país, ante 237 em 2020. Pelo quarto ano consecutivo, o Brasil é o país que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo.


405 visualizações0 comentário