Verão 2022: Economia das ilhas dá salto positivo


Foto: Reprodução

O mês de julho é auge do Verão paraense, aliado com as férias escolares o resultado é: praias lotadas e economia bombando.


Recuperação econômica


Segundo Everson Costa, pesquisador e técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômico (Dieese/Pará), as ações da Prefeitura dão o ritmo ao liberar recursos aos micros e pequenos negócios da região das ilhas de Belém, beneficiando não apenas Mosqueiro, mas também Outeiro, que atravessou uma fase difícil com o fechamento da ponte de acesso, também a Cotijuba e Combu, que neste ano, estão recebendo mais atenção com programação de atração popular como Festival de Gastronomia e ações esportivas.


O conjunto desses fatores melhora o cenário nesse período de recuperação econômica, mesmo sob o efeito mais brando da pandemia. “As políticas públicas da Prefeitura de Belém têm efeito quase imediato, considerando seu grau de importância na qualificação profissional, da facilitação de acesso ao crédito e também na questão da saúde como foi o caso das ações da Vigilância Sanitária na ilha do Combu, que olhou positivamente para o controle da alimentação e deu credibilidade em favor do consumidor”, destaca Costa.


Dinheiro circulando:


Além da economia interna, o verão também mobiliza o aumento o fluxo de pessoas, além da capital. Os cálculos da Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico (Sinart/Norte), que administra o Terminal Rodoviário de Belém, cerca de 130 mil pessoas deixaram Belém rumo aos balneários do Estado, no terceiro final de semana do verão paraense. Para as regiões mais próximas, a movimentação de público também foi intensa.


Em Mosqueiro, a Polícia Militar calcula que as regiões de praia atraíram mais de cem mil pessoas. O gasto médio dessas pessoas, segundo o Dieese, fica entre R$ 200 a R$ 300, considerando passagens e alimentação. “É um volume gigantesco de alguns milhões de reais, um dinheiro que, a grosso modo, se torna difícil de calcular e levaria algum tempo para realizar uma pesquisa mais abrangente”, destaca o analista do Dieese.


Ambulantes:


O comércio informal de Mosqueiro também está aquecido. A Agência Distrital de Mosqueiro licenciou eventualmente 306 ambulantes. A maioria deles está no ramo da alimentação nos setores da praça da Vila, Carananduba, Baía do Sol, bairro do Aeroporto, avenida 16 de novembro e orla das praias do Farol e Chapéu Virado. As licenças são válidas apenas para o período do veraneio.


A Prefeitura, por meio da Admos e Vigilância Sanitária, promoveu também um curso de manipulador de alimentos para quem solicitou a licença para trabalhar com a alimentação. “A licença é obrigatória e quem não possuir corre o risco de ter sua mercadoria apreendida durante a fiscalização”, explica Benilda Paixão, chefe do Departamento de Fiscalização em Vias Públicas da Agência Distrital.


Investimento público municipal:


Os investimentos em Mosqueiro com obras de recuperação da Escola do Rotary, no bairro de Carananduba; Unidade de Saúde do Sucurijuquara, no território quilombola; e o mercado da Vila, entregues pelo prefeito de Belém Edmilson Rodrigues, na última sexta-feira, 15, ultrapassam R$ 4 milhões.


A previsão de recursos do Programa Tá Selado para 2022 em Mosqueiro supera R$ 1 milhão. O recurso será aplicado em compras de maquinário, aquisição de imóveis para construções das unidades de saúde de família dos bairros do  Ariramba e da Baía do Sol, além da construção do anexo da creche do Furo das Marinhas e aquisição de equipamentos para laboratório de informática da biblioteca distrital.




Com informações de Agência Belém.


47 visualizações0 comentário